Ofensiva militar no Paquistão deixa pelo menos 15 mortos

O Exército utiliza morteiros, tanques e inclusive helicópteros de combates em sua ofensiva militar

EFE,

20 de julho de 2008 | 03h53

Pelo menos 15 insurgentes islâmicos morreram e 60 foram detidos no noroeste do Paquistão desde que teve início, na quarta-feira, uma operação militar nos distritos de Hangu e Doaba, informou neste domingo o porta-voz do Exército do país, Athar Abbas. As tropas, que já controlam parte destes distritos, estão fazendo avanços em suas posições, segundo Abbas, citado pelo canal privado "Geo TV", que acrescentou que cinco soldados ficaram feridos durante a operação. As forças paquistanesas tomaram o controle das localidades de Zargari e Shanawari, situadas em Hangu, e estão tentando expulsar os extremistas das regiões adjacentes. O Exército utiliza morteiros, tanques e inclusive helicópteros de combates em sua ofensiva militar. Em Hangu, um comboio de dois veículos militares que se dirigia ao forte de Shanawari sofreu, em 12 de julho, uma emboscada insurgente, na qual morreram 17 membros das forças de segurança. Na conflituosa região noroeste do Paquistão, próxima ao cinturão tribal fronteiriço com o Afeganistão, são constantes os ataques talibãs contra as forças de segurança. O novo Executivo paquistanês, formado após as eleições de fevereiro, alterou a política do país contra o terrorismo, e iniciou um diálogo com os insurgentes que prometam abandonar as armas.

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.