Oficiais do Hamas mostram disposição em negociar trégua longa

Contradições no discurso dos líderes do grupo mostra racha no poder entre linhas-duras e pragmáticos

Agências internacionais,

29 de janeiro de 2009 | 10h43

Altos oficiais do movimento islâmico Hamas indicaram disposição em negociar um acordo para uma trégua de longa duração com Israel com tanto que as fronteiras com a Faixa de Gaza sejam reabertas para o resto do mundo. "Queremos ser parte da comunidade internacional", afirmou Ghazi Hamad, um dos líder do Hamas residente em Rafah. "Acredito que o Hamas não tem interesse agora em aumentar a crise em Gaza ou em desafiar o mundo".   A agência Associated Press entrevistou Hamad e dois outros líderes do Hamas no território palestino, que sugeriram que o grupo pode estar pronto para negociações mais sérias. Os militantes parecem estar sofrendo um racha interno no poder entre pragmáticos e linhas-duras.   Na quarta-feira, o líder do Hamas, Khaled Mashaal, afirmou que o grupo rejeitaria a libertação do soldado israelense sequestrado Gilad Shalit mesmo se Israel abrisse as passagens fronteiriças de Gaza. Mashaal fez a declaração durante um discurso em Doha, retransmitido pela televisão Al Jazira, durante sua participação em uma conferência que foi chamada de "Gaza venceu". Além disso, o dirigente do Hamas destacou que "é preciso equiparar o assunto de Shalit com a libertação de nossos presos nas prisões do inimigo".   Olmert assegurou, em reunião com o novo enviado dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, que a reabertura das passagens fronteiriças com Gaza depende dos avanços para a libertação do soldado Shalit, sequestrado em junho de 2006 nas proximidades da Faixa por vários milicianos palestinos.   (Matéria atualizada às 17h30)  

Tudo o que sabemos sobre:
HamasIsraelpalestinosFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.