Olmert e Abbas se reúnem para discutir governo palestino

Outro ponto é a libertação de 250 presos palestinos, em sua maioria do Fatah

Efe

16 Julho 2007 | 05h44

Ehud Olmert, o primeiro-ministro israelense, vai se reunir na tarde desta segunda-feira, 16, em Jerusalém com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, após ter aprovado uma série de medidas para fortalecer o governo palestino frente ao Hamas, que controla a Faixa de Gaza. Em jogo está a libertação de 250 presos palestinos, em sua maioria do Fatah. Eles não são acusados de "crimes de sangue" e têm penas inferiores a um ano. Outro ponto em discussão é o compromisso do fim da perseguição de 178 milicianos do movimento nacionalista em troca de sua renúncia à atividades da resistência. A seu favor, Olmert conta com a aprovação de permissões de entrada na Cisjordânia por tempo limitado para dirigentes da Frente Democrática a Libertação da Palestina (FDLP) e da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FDLP). Em troca, o primeiro-ministro deverá exigir a Abbas que mantenha sua atual política de rompimento com o Hamas e que combata o terrorismo. Já Abbas deverá solicitar novamente ao primeiro-ministro israelense que inicie negociações para alcançar um acordo de paz global. Sobre seu último encontro com Olmert, o presidente palestino afirma que conseguiu a libertação de um "pequeno" número de prisioneiros. Outra conquista foi a transferência de fundos de Israel oriundos de tarifas em nome da Autoridade Nacional Palestina (ANP) retidas desde que o Hamas assumiu o poder, em março de 2006. No entanto, o líder palestino diz que isso não é suficiente. O pacto O último encontro entre os dois governantes ocorreu em 25 de junho, em uma cúpula na localidade egípcia de Sharm el-Sheikh, da qual também participaram Jordânia e Egito. Eles acordaram em março último se reunir a cada 15 dias. As reuniões são privadas. Não há entrevista coletiva posterior. A partir da tomada da Faixa de Gaza pelo extremista Hamas, o Executivo de Olmert demonstrou uma série de gestos de boa vontade em direção ao Executivo palestino formado por Abbas. George W. Bush Poucas horas depois do encontro desta segunda-feira, 16, o presidente americano, George W. Bush, deverá fazer um discurso de apoio ao governo dirigido por Salam Fayyad e à nomeação do ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair como enviado à região pelo Quarteto de Madri, formado por ONU, Estados Unidos, União Européia (UE) e Rússia, informou o jornal Ha'aretz. Além disso, Bush deverá oferecer seu apoio a Abbas e reiterar seu compromisso com uma solução para o conflito palestino-israelense    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.