Olmert minimiza chances de acordo de paz até final de 2008

O primeiro-ministro israelense, EhudOlmert, procurou reduzir a expectativa de que se possa chegar aum acordo de paz com os palestinos até o final de 2008,conforme o previsto na conferência de paz patrocinada na semanapassada pelos Estados Unidos. "Faremos um esforço para acelerar as negociações, naesperança de podermos concluí-las até o final de 2008, mas nãoexiste nenhum compromisso com relação a um prazo determinadopara a conclusão delas", disse no domingo, no início da reuniãodo gabinete israelense. Na conferência realizada em Annapolis, Maryland, opresidente norte-americano, George W. Bush, assegurou aoslíderes israelenses e palestinos que irá engajar-se no processode paz, apesar do ceticismo profundo quanto às chances de umacordo ser fechado antes de ele deixar a Presidência. Ao iniciarem, em Annapolis, as primeiras conversaçõesformais de paz em sete anos, Olmert e o presidente palestino,Mahmoud Abbas, tentaram chegar a um acordo para a criação de umEstado palestino na Cisjordânia e Faixa de Gaza até o final dopróximo ano. Mas céticos dizem que o cronograma traçado por Bush para oprocesso de paz é ambicioso demais, em vista do fato de quetanto Olmert quanto Abbas são líderes politicamente fracos.Falando na primeira reunião de gabinete desde Annapolis, Olmertpediu cautela. Num aparente indicativo a seus parceiros de direita nacoalizão governamental de que não pretende fazer concessões seminiciativas palestinas recíprocas, Olmert disse que qualqueravanço no processo de paz vai depender da adesão aoscompromissos assumidos sob o "mapa do caminho" --o plano de paztraçado pelos EUA e que atolou num impasse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.