Olmert promete 'guerra' contra militantes de Gaza

O primeiro-ministro de Israel,Ehud Olmert, prometeu na quinta-feira travar uma "guerra" paraimpedir militantes da Faixa de Gaza de dispararem foguetescontra cidades israelenses. O premiê deu essa declaração mesmo depois de líderespalestinos terem advertido que os ataques israelenses poderiamprejudicar os esforços de paz. Na mais recente investida ocorrida em meio a uma onda deviolência iniciada depois da visita à região do presidente dosEstados Unidos, George W. Bush, um ataque aéreo realizado porIsrael contra um carro, dentro da Faixa de Gaza, matou ummilitante e a mulher dele. Nos últimos dois dias, os militantes que ocupam oterritório, controlado atualmente pelo grupo Hamas, dispararamcerca de 70 foguetes contra o sul de Israel. "Uma guerra está sendo travada no sul, todos os dias, todasas noites", afirmou Olmert em um discurso. "Não podemos e não iremos tolerar os disparos incessantescontra cidadãos israelenses. Esta guerra não vai acabar", disseo premiê, anunciando que a pressão militar exercida por Israel"será um fator decisivo" e provocará o fim dos disparos defoguete. Olmert, afirmando que Israel desejava evitar fazer vítimasentre os civis palestinos, não deu indícios de que o paíslançaria uma grande operação por terra na Faixa de Gaza. O governo do presidente palestino, Mahmoud Abbas, condenouas operações israelenses no território e a prisão de militantesna Cisjordânia ocupada, classificando as manobras de um "tapana cara" dos esforços capitaneados por Bush para que um tratadode paz seja firmado até o final do ano. O premiê israelense afirmou continuar disposto a avançarnas negociações "sem hesitação". Mas se mostrou vago quanto aum calendário específico para os esforços de paz. O ataque de quinta-feira, ocorrido na cidade de Beit Lahiya(norte da Faixa de Gaza), incendiou um carro, matando os doisocupantes dele. Um desses seria Raed Abu al-Foul, um líder dosComitês de Resistência Popular (PRC). A outra vítima seria amulher dele. Na quarta-feira, as forças israelenses mataram seispalestinos, entre os quais três membros de uma mesma família daFaixa de Gaza, vitimados em um ataque aéreo malsucedido. Na terça-feira, no mesmo território, Israel matou 18palestinos. No mesmo dia, um voluntário equatoriano foi mortopor um franco-atirador palestino em um kibbutz israelenselocalizado na fronteira com o território palestino. "É tarde demais para que o inimigo tente impedir olançamento dos nossos foguetes. Temos centenas deles e osfoguetes estão prontos para serem disparados contra osassentamentos sionistas localizados perto da Faixa de Gaza",afirmou um porta-voz do PRC depois do ataque aéreo dequinta-feira. (Reportagem adicional de Nidal al-Mughrabi em Gaza)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.