Reuters
Reuters

ONG diz que Síria pode ter usado bombas de fragmentação

Arma espalha centenas de pequenos explosivos por amplas áreas e podem passar meses ou anos sem serem notados

Reuters

06 de setembro de 2012 | 18h45

LONDRES - Forças do governo sírio quase certamente têm usado bombas de fragmentação, capazes de matar e mutilar civis até bem depois do fim do conflito, disse um grupo pró-desarmamento nesta quinta-feira, 6, citando fotos e vídeos comprometedores. A Coalizão para a Munição de Fragmentação (CMC, na sigla em inglês) disse ter recolhido imagens captadas por ativistas sírios mostrando fragmentos das munições em pelo menos dois locais da Síria.

Veja também:

link Tropas sírias retomam cidade controlada por rebeldes

link França ajuda áreas sírias sem o controle de Assad e cogita enviar armas

O governo de Bashar Assad, que há 17 meses reprime uma rebelião popular, não é signatário de nenhuma convenção contra o uso dessas armas, que no entanto são amplamente condenadas por grupos humanitários e governos de outros países. Esse tipo de arma espalha centenas de pequenos explosivos por amplas áreas, onde podem passar meses ou anos sem serem notados.

Stephen Goose, ligado à CMC e à entidade Human Rights Watch, disse que não há relatos sobre as circunstâncias do uso das armas, mas que tudo indica que elas de fato foram usadas. "Elas não foram simplesmente tiradas de um depósito e desmontadas com parafuso", afirmou.

O CMC pediu a Damasco que confirme se usou ou não as armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.