ONG mostra expansão de assentamentos judaicos na Cisjordânia

Grupo cita migração de colonos em massa, apesar de promessas do governo de Israel de interromper os avanços

Efe,

07 de novembro de 2007 | 11h52

Os assentamentos judaicos na Cisjordânia continuam se expandindo, apesar das promessas do governo de Israel de interromper o crescimento. A denuncia foi feita nesta quarta-feira, 7, pela ONG israelense Paz Agora. A organização recorre a dados do Escritório Central de Estatísticas de Israel para mostrar que o número de colonos na Cisjordânia (267.500) aumentou 5,8% no período de 12 meses a partir de junho de 2006, mais que o triplo da média de Israel. "Isto mostra que o crescimento nos assentamentos inclui a migração em massa de colonos para a Cisjordânia", afirma o último relatório periódico da ONG, que cobre de maio a outubro deste ano. Além do aumento da população, a Paz Agora denuncia no relatório o "novo truque" criado pelos colonos para expandir os assentamentos existentes. Trata-se de construir nas colônias as caravanas nas quais se alojarão, em vez de viajar nelas, como faziam anteriormente e para o que agora é preciso uma permissão especial das autoridades israelenses. "Eles transportam os materiais (tijolos, janelas etc.) e os juntam na área do assentamento", relata o documento. Segundo a Paz Agora, atualmente há construções em 88 assentamentos, na maioria localizados a oeste do muro de separação. Os dados incluem desde uma casa até grandes projetos com centenas de imóveis. Também não foram controladas as construções nos assentamentos considerados ilegais por Israel. O relatório chega a poucas semanas da realização em Annapolis (EUA) de uma conferência internacional sobre o Oriente Médio. Uma equipe israelense e outra palestina negociam um documento baseado no "Mapa do Caminho", o plano de paz lançado em 2003 pelo Quarteto de Madri (EUA, ONU, União Européia e Rússia), que exige de Israel a dissolução dos assentamentos. "Não há sintonia entre as negociações políticas e o que acontece no local", criticou hoje o diretor da Paz Agora, Yariv Oppenheimer, à rádio militar israelense. O conselho de assentamentos Yesha saudou o relatório porque "prova que a expansão das colônias está experimentando um impulso que não foi contido apesar do terrorismo, a interrupção das construções e as pressões políticas". "Esperamos superar os 300 mil residentes até o fim do ano, embora talvez haja muitos mais", disseram fontes do conselho à edição digital do jornal The Jerusalem Post.

Tudo o que sabemos sobre:
CisjodâniaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.