ONU chega ao Paquistão para investigar morte de Bhutto

A comissão encarregada da investigação é liderada pelo embaixador do Chile na ONU, Heraldo Muñoz

Efe

07 de abril de 2009 | 04h59

Um grupo de investigadores das Nações Unidas chegou nesta terça-feira, 7, ao Paquistão para obter informações sobre o assassinato da ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, segundo informa a imprensa local.

 

A equipe, com seis membros, é composta por especialistas legais, políticos e assessores, e deve preparar um relatório sobre assistência técnica e de segurança para uma comissão central de investigação, segundo o canal local Geo TV.

 

A comissão encarregada da investigação é liderada pelo embaixador do Chile na ONU, Heraldo Muñoz, que, recentemente, já havia pedido que o caso fosse tratado com maior "profissionalismo".

 

A missão dos investigadores será determinar os fatos e circunstâncias do assassinato da ex-primeira-ministra do Paquistão, ocorrido em 27 de dezembro de 2007.

 

A criação da comissão foi anunciada em 4 de fevereiro pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, depois de solicitada pelo governo Paquistanês.

Tudo o que sabemos sobre:
Benazir BhuttoONUPaquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.