ONU condena ataques em Gaza e pede 'máximo cuidado' a Israel

Ban Ki-moon pede contenção ao governo israelense após violência deixar mãe e quatro filhos mortos

Efe,

28 de abril de 2008 | 19h17

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta segunda-feira, 28, os atos de violência registrados em Gaza, nos quais morreram uma mãe e quatro de seus filhos, ao mesmo tempo em que pediu "máximo cuidado e contenção" a Israel. Ban condenou "a perda de vidas civis ocorrida hoje em Gaza", de acordo com uma declaração de sua assessoria de imprensa, a qual também pede a Israel "exercer o máximo cuidado e contenção."   Veja também: Ataque israelense mata quatro crianças palestinas Abbas pede a líderes que evitem festa de Israel na Cisjordânia   Nesta segunda-feira, sete palestinos, entre eles quatro crianças e sua mãe, morreram durante a última ofensiva do Exército israelense no norte de Gaza, que deixou mais de dez feridos, e que representa uma ameaça às conversas para alcançar uma trégua.   Além disso, o secretário lembrou ao Exército israelense "suas responsabilidades de proteger os civis durante as operações militares segundo as leis de direitos humanos internacionais."   As mortes, que aconteceram na localidade de Beit Hanoun, aumentam a incerteza sobre os atuais esforços para um acordo de cessar-fogo entre Israel e as milícias armadas palestinas com a mediação do Egito.   O secretário-geral da ONU também condenou "os ataques com foguetes disparados hoje pelo Hamas contra alvos israelenses", e pediu ao movimento radical islâmico e a outros grupos que "coloquem fim a esses atos de terrorismo."   Segundo a declaração, Ban lembrou ao Hamas que "as áreas civis em Gaza não devem ser utilizadas como uma base a partir da qual lançar suas ações". Ele ressaltou sua preocupação com o aumento das mortes de civis em Gaza, ao mesmo tempo em que fez um apelo "para acalmar de maneira imediata a situação" nessa conflituosa região.

Tudo o que sabemos sobre:
GazaIsraelONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.