ONU diz que rede é responsável por morte de Hariri no Líbano

Uma rede de pessoas foiresponsável pelo assassinato do ex-primeiro-ministro libanêsRafik al-Hariri, em 2005, e possui ligação com outras mortespolíticas no Líbano, afirmaram nesta sexta-feira investigadoresda Organização das Nações Unidas (ONU). A informação consta no último relatório elaborado pelacomissão da ONU criada para investigar o assassinato de Haririe outros casos relacionados. O documento foi distribuído aoConselho de Segurança da ONU nesta sexta. "A comissão pode agora confirmar, baseada em provasdisponíveis, que uma rede de indivíduos agiu mancomunada pararealizar o assassinato de ... Hariri e que essa rede criminal--a 'rede Hariri'-- ou partes dela estão ligadas a algunsoutros casos", informou o documento. A comissão afirmou ainda ter evidências de que a redeexistia antes do assassinato de Hariri, o vigiava e continuou,ao menos em parte, a operar após a morte. Hariri e outras 22 pessoas morreram na explosão de umcarro-bomba em Beirute no dia 14 de fevereiro de 2005. Algunspolíticos libaneses contrários à Síria afirmaram que o paísestaria por trás do ataque suicida. Damasco negou oenvolvimento, e o relatório da ONU não identificou nenhumsuspeito. O documento é o décimo da comissão sobre o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.