ONU diz que secretário-geral não parabenizou Ahmadinejad

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse na quarta-feira que o secretário-geral Ban Ki-moon não parabenizou o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, por sua reeleição, revertendo uma declaração anterior.

LOUIS CHARBONNEAU, REUTERS

12 de agosto de 2009 | 16h26

Questionada na terça-feira se Ban havia enviado uma carta de congratulações a Ahmadinejad, a porta-voz da ONU Marie Okabe disse "sim." Mas quando os jornalistas pediram por detalhes na quarta-feira, ela afirmou que isso não podia ser interpretado de nenhuma forma como uma congratulação a Ahmadinejad.

"Não é acurado referir-se a isso como uma carta de congratulações," afirmou ela, acrescentando que a ONU não divulgaria o conteúdo da mensagem.

Okabe afirmou que a carta de Ban "aproveita a ocasião da cerimônia de posse para expressar a esperança de que o Irã e a ONU continuem a cooperar de forma estreita em questões regionais e globais."

Um porta-voz para a missão do Irã na ONU não pôde ser localizado para comentar o assunto.

O resultado da eleição iraniana de 12 de junho lançou o país na maior crise interna desde a revolução islâmica de 1979, expôs profundas divisões na elite governante e deflagrou uma onda de protestos que deixou 26 mortos.

Líderes do Ocidente, já incomodados pela retórica anti-Israel de Ahmadinejad, por sua negação do Holocausto e por sua política nuclear, recusaram-se a parabenizar o presidente em sua posse na semana passada, embora os líderes do Japão e da Turquia tenham o congratulado.

O secretário-geral normalmente parabeniza os líderes após as eleições, mas as autoridades da ONU afirmam que isso não significa que ele aprova os eleitos ou os processos eleitorais que os colocaram no cargo. A ONU já divulgou o conteúdo de algumas dessas mensagens no passado.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAONUCARTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.