ONU pede ao Hamas que acabe com execuções

Outros prisioneiros estariam aguardando execução, diz entidade

EFE

16 de abril de 2010 | 08h34

GENEBRA - A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navy Pillay, pediu nesta sexta-feira, 16, às autoridades do Hamas, na Faixa de Gaza, que parem com as execuções, depois de

cumprirem duas condenações por pena de morte na quinta-feira.

 

"Estou profundamente preocupada com estas execuções, e com a possibilidade de outras ocorrerem", disse a funcionária da ONU em comunicado.

 

Dois palestinos condenados por um tribunal militar por colaborar com Israel, foram executados na primeira aplicação da pena de morte em território palestino desde 2000.

 

Pillay assinalou que é "extremamente decepcionante que o Hamas tenha voltado ao uso desse tipo de ação".

 

Além disso, expressou surpresa diante da existência de relatórios não oficiais que apontem vários prisioneiros candidatos a enfrentar em breve execuções.

 

Este escritório da ONU soube que na quarta-feira as autoridades do Hamas procuraram as famílias de vários condenados à morte para avisá-los que podiam visitar pela última vez seus familiares.

 

"Peço ao Hamas que reconsidere sua postura e mostre respeito à condenação da comunidade internacional à pena de morte, e suspenda seu uso em Gaza", ressaltou Pillay.

 

Da mesma maneira, acrescentou que a pena de morte só pode ser imposta por um tribunal com garantia de justiça e devidamente constituído, "o que é praticamente impossível nas atuais circunstâncias em Gaza".

Tudo o que sabemos sobre:
ONUHamasFaixa de Gaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.