ONU pede que refugiados não acelerem retorno ao Iraque

Segurança ainda é precária; ministro iraquiano pede que primeiro retornem os que estão em países vizinhos

Efe,

05 de dezembro de 2007 | 01h07

O representante especial da ONU para o Iraque, Staffan de Mistura, pediu nesta terça-feira, 4, aos refugiados iraquianos que não acelerem o processo de retorno ao país, já que a segurança ainda é precária. O emissário internacional afirmou isto durante entrevista coletiva junto com o ministro de Imigração e Refugiados do Iraque, Abdel Samad Sultan. "Nós não encorajamos uma grande afluência (rumo a Iraque), já que as famílias precisam de proteção, e, embora a segurança do país seja boa, também é precária, o que faz com que qualquer coisa possa acontecer", declarou Mistura. A declaração do ministro iraquiano coincidiu com a do representante da ONU ao dizer que seu governo não encoraja as famílias a retornarem em grande número e que primeiramente devem voltar os que permanecem em países vizinhos para depois retornarem os que estão fora da região. Sultan afirmou desconhecer o número de refugiados que retornaram recentemente ao país provenientes da Síria e da Jordânia, e acrescentou que as autoridades iraquianas pretendem contabilizá-los através de formulários que serão distribuídos nos bairros. O representante iraquiano afirmou que o retorno dos refugiados é voluntário e que o governo apresentará "todas as facilidades possíveis". Ajuda aos refugiados Em comunicado distribuído durante a entrevista coletiva, a ONU informou que adotou todas as medidas efetivas para apoiar as autoridades iraquianas na concessão de ajuda aos refugiados. Para conseguir este objetivo - de acordo com a nota - a ONU preparou um plano que conta com a colaboração do Ministério de Imigração e Refugiados do Iraque, que tem como objetivo ajudar cinco mil famílias de refugiados. Segundo o comunicado, três especialistas do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) chegaram a Bagdá para ajudarem a cumprir o plano, que tem um custo de cerca de US$ 11 milhões. Segundo informações do Acnur, o número de iraquianos que retornam da Síria para o Iraque chegou a ser superior ao dos que se deslocam em direção ao território sírio. Aproximadamente um milhão e meio de iraquianos estão refugiados na Síria e mais de 700 mil permanecem na Jordânia.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquerefugiados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.