Zohra Bensemra/Reuters
Zohra Bensemra/Reuters

ONU pode votar resolução contra a Síria na próxima semana

Rússia e China devem manter posição de veto, mas potências ocidentais seguem pressionando

Reuters

25 de janeiro de 2012 | 16h56

NOVA YORK - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) pode votar já na próxima semana um projeto de resolução árabe-ocidental endossando apelo da Liga Árabe para que o presidente sírio, Bashar Assad, transfira poderes para seu vice, disseram diplomatas do Conselho nesta quarta-feira, 25.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

Ainda não está claro se a Rússia - que junto com a China vetou uma resolução europeia, elaborada em outubro, que condenou a Síria e a ameaçou com sanções por sua repressão de 10 meses contra manifestantes pró-democracia - está preparada para exercer seu poder de veto para bloquear novamente uma ação do Conselho contra a Síria.

Delegações da Europa e dos EUA têm trabalhado com o Catar e o Marrocos, o membro árabe do Conselho de Segurança, em uma nova proposta de resolução. O texto, obtido pela Reuters, pede que o Conselho apoie uma "transição política" na Síria, onde forças do governo mataram milhares de manifestantes inspirados por levantes da Primavera Árabe no Oriente Médio e Norte da África. "Esperamos avançar com isso no Conselho de Segurança muito rapidamente", disse um alto diplomata ocidental sob condição de anonimato.

O novo projeto irá substituir um texto russo, que diplomatas ocidentais dizem ser muito fraco e não mais relevante em função do pedido da Liga Árabe para Assad transferir o poder para seu vice. Diplomatas disseram que gostariam de colocar a nova proposta de resolução em votação na próxima semana.

 

De acordo com a ONU, mais de 5 mil pessoas morreram desde o início do levante contra o ergime de Assad, há pouco menos de um ano. O governo culpa "terroristas e grupos armados" pela violência e afirma que mais de mil policiais e soldados morreram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.