ONU quer novas sanções contra Irã até meados de junho, dizem fontes

Membros permamentes do CS querem aprovar sanções em punição ao programa nuclear de Teerã

REUTERS

07 Maio 2010 | 18h04

Uma nova rodada de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o Irã deverá estar pronta até meados de junho, disseram fontes diplomáticas nesta sexta-feira, 7, mas ainda está incerto quando um esboço da proposta será apresentado ao Conselho de Segurança.    

 

Veja também:

linkKremlin impõe condições aos EUA para apoiar sanções contra Irã

linkBrasil vê flexibilidade do Irã e janela para acordo 

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, disse à Reuters que o governo brasileiro está disposto a encontrar uma solução negociada com o Irã para o impasse do programa nuclear da República Islâmica, um processo que poderia atrasar a entrega do esboço à ONU.

Mas diplomatas europeus disseram que o prazo para obter a aprovação da quarta rodada de sanções permanecia até meados de junho, já que os Estados Unidos e seus aliados europeus, com crescente apoio de Rússia e China, aumentam a pressão sobre o Irã.

"O prazo com o qual estamos trabalhando é ter uma resolução do Conselho de Segurança na segunda semana de junho", disse uma das fontes, que acompanha de perto as discussões entre as partes.

O bloco UE3+3 -- Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China - discute há meses o conteúdo do documento preliminar para uma quarta rodada de sanções, enquanto o Irã indicou que está preparado para reabrir as discussões sobre a troca de combustível, o que poderá evitar novas sanções mais severas.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Manouchenr Mottaki, se reuniu com diplomatas do Conselho de Segurança em Nova York nesta semana e disse que havia reiterado a possibilidade de uma troca de urânio.

"Todos deveriam dar uma chance para a proposta de troca (de combustível). Todos deveriam tentar encontrar um caminho adequado para resolver esse problema", disse ele a repórteres na Turquia, onde conversou com seu homólogo turco, Ahmet Davutoglu, nesta sexta-feira.

Os esforços agora eram para convencer o máximo possível dos outros 10 membros não permanentes a apoiar as medidas contidas no documento preliminar.

A Turquia, assim como o Brasil, é um dos 10 membros não permanentes do Conselho de Segurança na ONU e permanece contrária à nova rodada de sanções contra o Irã. O país tem resistido repetidamente às tentativas da União Europeia de mudar sua posição.

"Os turcos têm de ser convencidos um pouco mais", disse uma das fontes, acrescentando que os esforços seriam redobrados nas próximas semanas para tentar ganhar a Turquia.

Ao mesmo tempo, o Brasil também tenta dar mais tempo ao Irã. Amorim disse à Reuters que via uma janela de oportunidade e disposição do Irã para alcançar uma solução negociada.

(Reportagem adicional de Raymond Colitt, em Brasília, e de Daren Butler, em Istambul)

Mais conteúdo sobre:
IRA SANCOES CRONOGRAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.