ESSA AHMED/AFP
ESSA AHMED/AFP

ONU trabalha para abrir ponte aérea para doentes em áreas rebeldes no Iêmen

O objetivo é transferir os pacientes mais graves para que eles recebam o tratamento que precisam

EFE

17 Setembro 2018 | 04h35

SANA - As Nações Unidas trabalham para abrir uma ponte aérea médica com o objetivo de transferir doentes mais graves e que sejam tratados fora das áreas controladas pelos rebeldes xiitas houthis no Iêmen.

"O objetivo é ajudar os pacientes que sofrem de câncer, doenças crônicas ou anomalias congênitas para que recebam o tratamento que eles precisam", informou em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 17, o representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) no Iêmen, Nevio Zagaria.

O representante espera que "o primeiro voo esteja preparado o mais rápido possível" no qual 80% dos doentes a bordo serão "mulheres e crianças", embora não tenha revelado de que lugar serão transferidos nem onde serão tratados os pacientes.

+++ Para encerrar a guerra no Iêmen

A coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, e que luta desde março de 2015 contra os houthis no Iêmen, é quem controla o espaço aéreo do país.

"Uma companhia internacional independente foi contratada para revisar os prontuários médicos dos pacientes que são selecionados para assegurar que eles estão aptos para o serviço. A ponte aérea operará por um período de teste inicial de seis meses", afirmou a OMS.

Segundo Zagaria, "os civis que se beneficiarão são aqueles que sofrem de leucemia, tumores em fases iniciais, câncer cervical e de tireoide, assim como os pacientes que precisam de radioterapia e transplantes de medula óssea e rim". /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.