Oposição apresenta moção de censura contra governo israelense

Para Livni, Netanyahu tenta escapar de suas resposnsabilidades como dirgente ao criticar apenas militares

Efe

07 de junho de 2010 | 12h35

JERUSALÉM - A líder da oposição israelense, a centrista Tzipi Livni, apresentou nesta segunda-feira, 07, uma moção de censura contra o governo do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, pelo manejo da crise provocada pela ataque à frota de ajuda humanitária que se dirigia à Faixa de Gaza.

 

Os sete navios dessa frota internacional, que pretendia romper o bloqueio israelense e levar ajuda humanitária a Gaza, foram atacados pelo Exército de Israel, que matou nove ativistas turcos na única embarcação em que encontrou resistência.

 

O massacre provocou uma saraivada de críticas da comunidade internacional contra o governo direitista de Netanyahu, que rejeitou ontem o pedido das Nações Unidas para que a operação militar israelense seja investigada por uma comissão internacional.

 

Após tomar conhecimento da iniciativa de Livni, Netanyahu criticou a líder da oposição, a quem pediu "contenção e responsabilidade", após ressaltar que "a próxima frota se vislumbra no horizonte e o que agora é preciso plena confiança no governo".

 

Netanyahu lembrou que quando aconteceu o ataque militar israelense em Gaza há mais de um ano - que custou a vida de 1,4 mil palestinos e também foi fortemente criticado pela comunidade internacional, que o qualificou como um massacre - ele estava na oposição e não apresentou uma moção de censura contra o Governo do então primeiro-ministro, Ehud Olmert, do partido Kadima, o mesmo de Livni.

 

A líder da oposição, que era ministra de Exteriores quando Israel atacou Gaza, justifica a moção de censura com o argumento de que o Governo de Netanyahu "tenta escapar de sua responsabilidade e dirige as críticas (pelo ataque aos navios da frota) para os militares".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.