Oposição israelense se mobiliza contra Conferência de Paz

Manifestação de protesto contra a reunião acontecerá em frente à residência oficial de Olmert

Efe,

26 de novembro de 2007 | 06h57

A Comissão de Assentamentos da Judéia e Samaria (Cisjordânia) convocou para esta segunda-feira, 26, uma manifestação de protesto contra a Conferência de paz de Annapolis (EUA) em frente à residência oficial do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert. A participação do governo israelense nessa reunião, que começa nesta terça-feira, 27, na Academia Naval dessa cidade americana, é repudiada também pelos partidos ultranacionalistas e pelo chefe da oposição parlamentar, Benjamin Netanyahu. "Todos queremos a paz, mas uma paz verdadeira, e para isto é preciso um parceiro autêntico e concessões recíprocas", disse nesta segunda-feira o ex-primeiro-ministro Netanyahu à imprensa local. "Antes ainda da Conferência, o governo fez grandes concessões (aos palestinos), libertou centenas de terroristas da prisão, entregou (à Autoridade Nacional Palestina) carros blindados e milhões de balas, e tudo em troca de nada", acrescentou. Netanyahu, líder do nacionalista Partido Likud, questionou "qual poderá ser o final das negociações". A manifestação em frente à residência de Olmert, que pode se reunir nesta segunda-feira, 26, em Washington com o presidente americano, George W. Bush, acontecerá sob estritas medidas de segurança, e pode contar com a presença de legisladores da oposição. "O fracassado experimento feito em Gaza pode se repetir e por isso estamos preocupados e examinamos com a maior seriedade essa ameaça", declarou o presidente da Comissão dos Assentamentos, Daniel Dayan, em alusão à evacuação em 2005 dos estabelecidos nesse território palestino, desde junho sob controle do Hamas. Os colonos israelenses, que podem perder dezenas de seus assentamentos na Cisjordânia se Olmert aceitar a devolução desse território ocupado para a criação de um Estado palestino, acreditam que o chefe do governo "está fugindo da realidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.