Oposição libanesa declara vitória de candidato em eleição

Um candidato oposicionista cristãomaronita venceu uma eleição suplementar para o Parlamentolibanês no domingo, informou um líder da oposição, impondo umrevés à coalizão governista libanesa, que tem o apoio doOcidente. No mais recente confronto entre o governo e a oposição,dezenas de milhares de libaneses foram às urnas para elegersucessores a dois parlamentares anti-Síria assassinados. O líder da oposição cristã Michael Aoun anunciou que seucandidato derrotou por margem estreita o ex-presidente AminGemayel, membro chave da coalizão governista, numa eleiçãosuplementar realizada no distrito de Metn, a nordeste deBeirute. A disputa pela cadeira maronita que ficou vaga depois doassassinato de Pierre Gemayel em novembro passado acabou seconfigurando como prova de força entre a coalizão governista ea oposição, semanas antes da eleição prevista de um presidentemaronita para o Parlamento. Não houve confirmação oficial do anúncio de Aoun, masfontes da oposição disseram que Camille Khoury venceu commargem de cerca de 500 votos, entre 75 votos depositados nasurnas. Resultados não oficiais anteriores indicaram que ocandidato pró-governo Mohammad Amin Itani conquistou com margemgrande de votos uma cadeira muçulmana sunita num distrito deBeirute, que ficou vaga após o assassinato do deputado WalidEido em junho. O primeiro-ministro Fouad Siniora saudou a eleiçãoparlamentar pacífica, que descreveu como resposta civilizadaaos assassinatos de políticos. "A democracia vai derrotar oterrorismo no Líbano", disse ele em comunicado. A luta política que se arrasta há nove meses vem provocandoos piores enfrentamentos civis desde a guerra de 1975-1990, ehouve temores de um novo surto de violência durante a votação. Mas não foram relatados incidentes importantes nos locaisde votos na região cristã do Líbano, onde o índice decomparecimento dos eleitores às urnas foi de cerca de 45 porcento. Milhares de soldados e policiais libaneses intensificaram asegurança na área, onde bandeiras e cartazes dos partidosrivais se espalhavam por varandas, carros e postes de luz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.