Oposição tem vantagem nas pesquisas para eleição em Israel

Partido direitista de Benjamin Netanyahu conseguiria seis lugares a mais no Parlamento do que os governistas

Reuters,

20 de novembro de 2008 | 08h01

O partido opositor direitista Likud, do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, supera o oficialista Kadima em Israel segundo apontam pesquisas de opinião divulgadas nesta quinta-feira, 20, três meses antes da eleição parlamentar. "Bibi está ganhando força", indicava um dos títulos do jornal Yedioth Ahronothr, em referência ao ex-premiê. A pesquisa Yedioth/Dahaf da publicação dá ao Likud 32 assentos do Parlamento de 120 membros e 26 para o Kadima, liderado pela ministra de Relações Exteriores Tzipi Livni. A sondagem do diário Haaretz aponta que os direitistas teriam 34 lugares, contra 28 do partido governista. Israel fará eleições gerais em 10 de fevereiro, depois que Livni fracassou em sua missão de formar governo e após a renúncia, no último mês de setembro, do primeiro-ministro Ehud Olmert, acusado em vários escândalos de corrupção. Pesquisas de opinião divulgadas no mês passado mostraram empate na disputa. O Kadima conquistou 29 assentos na última eleição parlamentar, em 2006, contra 12 do Likud. Os comentários que acompanham as pesquisas divulgadas nesta quinta atribuem a vantagem do Likud ao recente recrutamento de várias pessoal respeitadas de Israel, incluindo o filho do falecido premiê Menachem Begin. Netanyahu também fala cada vez mais sobre um futuro governo, do qual se espera enfoque nas negociações de paz com palestinos, dizendo que se concentraria mais em reforçar a economia do país do que em assuntos territoriais. As últimas pesquisas de opinião indicam uma queda no partido de centro-esquerda Trabalhista, liderado pelo ministro da Defesa Ehud Barak. Membro dos últimos governos de coalizão, a legenda poderia conseguir entre 8 e 11 lugares do Parlamento - na eleição anterior conseguiu 19. As sondagens foram feitas com cerca de 500 pessoas e têm margem de erro de 4,5%.

Tudo o que sabemos sobre:
Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.