Reuters
Reuters

Opositor sírio teme que rebeldes criem 'caos sem fim'

Michel Kilo disse também que o presidente está 'desesperado' e tenta regionalizar o conflito

REUTERS

18 de janeiro de 2012 | 10h54

PARIS - O grupo Exército Sírio Livre, formado principalmente por desertores das forças oficiais, ameaça arrastar a Síria para um "caos sem fim", disse o influente ativista de oposição Michel Kilo em declarações publicadas nesta quarta-feira, 18.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

A entrevista dele ao jornal francês Le Fígaro expõe as divergências dentro da oposição síria a respeito de usar ou não a força para tentar derrubar o presidente Bashar al-Assad, há dez meses alvo de uma rebelião popular inicialmente pacífica.

Essas divisões fazem com que potências ocidentais relutem em apoiar explicitamente os rebeldes, que deixam a Síria cada vez mais perto de uma guerra civil.

Kilo, um escritor que passou seis anos preso por desafiar a liderança de Assad, disse também que o presidente está "desesperado" e tenta regionalizar o conflito.

O general Mostafa Ahmad al Sheikh, mais graduado militar a ter abandonado Assad nos últimos meses, criou um conselho militar para coordenar as ações do Exército Sírio Livre.

"Ele quer atacar 400 mil pessoas com apenas alguns milhares de soldados que não formam um Exército", disse Kilo. "Ele vai colocar o país em um caos sem fim. É loucura."

Kilo, que participa do Comitê Nacional pela Mudança Democrática, disse que a situação na Síria chegou a um impasse, pois nem os manifestantes nem o governo querem recuar.

Ele disse que Assad demonstra ser um "homem desesperado" quando, por um lado, oferece anistia por crimes eventualmente cometidos durante a rebelião, mas, por outro, promete usar mão de ferro para punir os "terroristas" que agem contra o seu governo.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSIRIAATIVISTACRITICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.