Órgão afegão recebe 3 mil denúncias de irregularidades em eleições legislativas

Dessas, 1.300 foram registradas no dia do pleito, que englobam desde títulos falsos até votos múltiplos

estadão.com.br,

21 de setembro de 2010 | 22h39

CABUL- A Comissão de Queixas Eleitorais (ECC) do Afeganistão afirmou à agência de notícias AFP nesta terça-feira, 21, que recebeu mais de 3.000 reclamações por irregularidades e possíveis fraudes durante as eleições legislativas no país, 1.300 delas no dia da votação.

 

Veja também:

linkHelicóptero cai e 9 soldados da Otan morrem no Afeganistão

 

"Até o momento, recebemos 1.388 denúncias desde as eleições", disse à AFP Ahmad Zia Rafaat, um dos responsáveis pelo órgão. Estas denúncias são relativas a falhas no dia do pleito. Além delas, a ECC recebeu 1.700 queixas por infrações constatadas desde o início do processo eleitoral, em abril.

 

O prazo para apresentar as denúncias foi encerrado hoje. As eleições legislativas do último sábado - as segundas desde que o Taleban foi derrubado em 2001 - foram marcadas pelas irregularidades e por ataques esporádicos dos insurgentes, que deixaram 16 mortos.

 

A dimensão das fraudes só será conhecida quando os resultados forem apurados. Os primeiros números parciais são esperados para amanhã, mas os definitivos não serão revelados antes de 31 de outubro.

 

Mais de 4,3 milhões de afegãos, 47% da população, foram às urnas, apesar da ameaça de ataques do Taleban a quem fosse votar.

 

A ONG Fundação Afegã para Eleições Livres e Regulares (FEFA) confirmou que "numerosas irregularidades" ocorreram durante os comícios, que lançam "sérias dúvidas sobre a qualidade" dos mesmos. Segundo a entidade, ocorreram vários incidentes, desde atos violentos à introdução ilegítima de votos nas urnas.

 

Foram descobertos 352 títulos de eleitor falsos e foram denunciados casos de votos múltiplos em 1.228 colégios eleitorais (dentre 5.000), totalizando 22 das 34 províncias do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.