Otan assumirá comando total das operações militares da Líbia

A transição está em andamento, diz porta-voz da aliança atlântica sobre intervenção no país

REUTERS

28 de março de 2011 | 12h08

Atualizado às 14h43

 

BRUXELAS - O processo da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) para assumir o comando total sobre as operações na Líbia deve ser completado "em alguns dias", disse uma porta-voz  nesta segunda-feira.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

"A transição está em andamento. As nações estão passando as responsabilidades para a autoridade da Otan neste momento. Mas... essa transição não é instantânea. É uma transição em fases que deve ocorrer ao longo de alguns dias", disse a porta-voz da Otan Oana Lungescu. "Essa transição não é instantânea. Está prevista para ocorrer ao longo de dois ou três dias", completou.

 

Os Estados-membro da Otan concordaram no domingo em assumir o comando de todas as operações na Líbia, encerrando uma semana de acaloradas negociações sobre a estrutura de comando. O tenente-general canadense Charles Bouchard, comandante das operações da aliança, disse que a Otan já havia assumido o controle das operações da zona de exclusão aérea.

 

Representantes da Otan disseram que o planejamento da aliança prevê uma operação de 90 dias de duração, mas que o cronograma dela vai depender da Organização das Nações Unidas (ONU). "A missão foi planejada para 90 dias, mas isso não significa que seja restrita a 90 dias," disse um funcionário. "Vai depender da ONU nos dizer por quanto tempo quer que continuemos a operação."

 

Lungescu disse que a Otan espera que a missão seja a mais curta possível. "Está claro para todos que não existe solução puramente militar para a crise na Líbia. O que esperamos é que a violência cesse e que haja uma solução pacífica para esta crise e uma transição para a democracia, que é o que a população da Líbia quer."

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAOTANASSUME*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.