Otan confirma que matou repórter da BBC no Afeganistão em julho

Jornalista morreu no final de julho; soldados acreditavam que vítima era um terrorista

Reuters

08 Setembro 2011 | 19h19

CABUL - Um soldado americano matou por engano um repórter afegão que trabalhava para a BBC, acreditando erradamente que ele era um suicida que detonaria explosivos durante um ataque em julho, disse nesta quinta-feira, 8, a aliança militar liderada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Afeganistão.

 

A morte de Omed Khpalwak durante um ataque suicida e um tiroteio na província de Uruzgan levaram a BBC e uma associação local de imprensa a cobrarem uma investigação. O jornalista também trabalhava para a agência de notícias afegã Pajhwok.

 

 Força Internacional de Assistência para Segurança (Isaf, na sigla em inglês) disse que um inquérito militar sobre as circunstâncias da morte do repórter descobriu que os soldados acharam que ele era um militante infiltrado no prédio da Rádio Televisão Afeganistão (RTA), em Tarin Khot, no dia 29 de julho.

 

Enquanto as forças afegãs combatiam os insurgentes, que também tinham atacado o complexo do governo ao lado, forças norte-americanas começaram a limpar o edifício da RTA.

Durante a operação, um soldado viu um adulto jovem, que foi identificado posteriormente como Khpalwak, no prédio adjacente a uma sala onde um dos suicidas tinha detonado seus explosivos.

Depois houve um tiro disparado que o soldado acreditou ter partido do local onde estava o homem. O soldado deu um único tiro de volta, mas esse não acertou o homem. Neste momento, outros soldados alertaram que o homem estaria atirando, segundo a Isaf.

Na sequência dos acontecimento, um soldado aproximou-se da janela onde estava o homem e disparou com seu fuzil M-4, matando o jornalista por engano, segundo a investigação.

Forças afegãs retiraram o corpo e o identificaram como Khpalwak. Ele estava desarmado, e nenhuma arma foi encontrada perto dele.

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãosoldadosBBCOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.