Otan exige que Síria interrompa agressões ao território turco

Aliança atlântica condena ataque e diz que bombardeio sírio é motivo de grande preocupação

estadão.com.br,

03 de outubro de 2012 | 17h42

Fumaça é vista em rua de Ankcakale, Turquia, após bombardeuio sírio

BRUXELAS - A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) divulgou nesta quarta-feira, 2, um comunicado no qual exige que a Síria interrompa todas as agressões ao território da Turquia, membro da aliança atlântica. O texto diz ainda que o bombardeio sírio constitui uma causa de grande preocupação para o bloco e foi firmemente condenado por todos os países membros.

Veja também:

link Turquia dispara contra a Síria após ataque com morteiro matar 5

link Morteiro da Síria mata cinco pessoas de uma família na Turquia

A reunião ocorreu horas depois de um ataque com morteiros sírios ter matado cinco turcos. Ancara atribuiu a Damasco a autoria da ação e respondeu com um ataque de artilharia dentro do território sírio.

"A aliança continua ao lado da Turquia e exige o imediato fim desses atos agressivos contra um aliado, e exorta o regime sírio a pôr um fim a essa violação flagrante do direito internacional", diz o texto.

O morteiro disparado da Síria matou  duas mulheres e três criançasem Ankcakale, no sudeste da Turquia e deixou pelo menos outras oito pessoas feridas. O governo turco responsabilizou Damasco pelo ataque e respondeu militarmente à ação, artilharia contra alvos no território sírio.  

"Nossas forças armadas (localizadas) na região da fronteira responderam imediatamente a esse abominável ataque de acordo com as regras de combate. Alvos foram atingidos por fogo de artilharia disparados contra locais na Síria identificados por radar", afirmou o gabinete do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, em um comunicado.

De acordo com a emissora turca NTV, os radares das forças de Ancara detectaram as posições de onde os disparos vindos da Síria partiram e os locais foram contra-atacados. O governo sírio afirmou que investiga a origem do ataque e mandou condolências ao povo turco. 

Pouco depois do ataque em Ankcakale, o vice-primeiro-ministro turco, Bulent Arinc, atribuiu ao regime sírio a responsabilidade pelas mortes dos civis, exigindo uma resposta em acordo com o direito internacional.

Em seguida, o chanceler da Turquia, Ahmet Davutoglu, telefonou para o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, exigindo providências, e a reunião entre os representantes dos países-membros da entidade internacional foi convocada.

 "A Turquia nunca deixará sem resposta tais provocações do regime sírio contra sua segurança nacional", afirmou Ancara.

As autoridades da região afirmaram que quatro projéteis disparados da Síria caíram na cidade turca. Após a ação, centenas de cidadãos marcharam em direção ao escritório do governo provincial da localidade, exigindo a renúncia da administração local, informou a emissora CNN.

A troca de fogo entre Síria e Turquia é o incidente fronteiriço mais sério ocorrido durante os 18 meses da insurreição que tenta depor o ditador sírio, Bashar Assad – que, segundo a oposição ao governo de Damasco, já deixou mais de 30 mil mortos.

Com Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
primavera árabeSíriaTurquiaOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.