Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Otan tenta acalmar afegãos depois de ataque aéreo contra civis

Comandante do Exército dos EUA reconhece falhas na operação que tentava enfraquecer militância Taleban

AP e Reuters,

05 de setembro de 2009 | 11h24

Representantes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se encontraram neste sábado, 5, com vítimas e familiares de vítimas de ataque aéreo no Afeganistão e o comandante do grupo foi à TV para tentar reduzir a irritação dos afegãos com o ocorrido. Autoridades afegãs afirmam que várias pessoas foram mortas, muitas delas civis, quando um avião F-15 norte-americano, chamado por tropas alemãs, atacou dois caminhões de combustível antes do amanhecer de sexta-feira. Neste sábado, o novo comandante da Otan e dos Estados Unidos, general Stanley McChrystal, reconheceu que houve vítimas civis no ataque.

 

Veja também:

linkFrança considera 'enorme erro' ataque da Otan no Afeganistão

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

video Vídeo: Correspondente do 'Estado' fala do conflito no país

O incidente se dá dois meses após McChrystal ter ordenado novos procedimentos de segurança e precaução antes de ataques, para proteger civis. Numa mensagem televisionada sem precedentes para a população afegã, o general afirmou que o ataque foi lançado contra o que se pensava que era um alvo Taleban. Ele prometeu divulgar o resultado da investigação sobre o incidente.

"Como comandante da Força de Assistência à Segurança Internacional, nada é mais importante que a segurança e a proteção do povo afegão", afirmou ele numa declaração gravada, divulgada em versões dubladas nas duas línguas oficiais do país. "Tomo essa possível perda de vidas ou ferimentos de afegãos inocentes muito seriamente", disse.

No hospital principal da cidade de Kunduz, Shaifullah, um menino de seis ou sete anos, com queimaduras graves num dos braços e numa das pernas, é tratado num quarto de hospital repleto de camas e moscas. "Fui pegar o combustível junto com todo mundo, e então as bombas caíram sobre nós", disse o garoto a uma delegação da Otan. Oficiais alemães e norte-americanos tomavam nota.

A região atacada, Kunduz, estava tranquila desde a derrubada do governo do Taleban em 2001, mas recentemente voltou a ser local de atividade de insurgentes. A área é patrulhada por tropa alemã de 4.000 homens, soldados que Berlim não deixou que operassem em zonas de combate em outras partes do Afeganistão.

Neste sábado, no fim da manhã, uma bomba atingiu um comboio alemão perto da cidade, outro sinal das ações do Taliban na região. A Alemanha afirmou que foi um atentado suicida e que quatro soldados ficaram feridos no ataque.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoOtan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.