Países do golfo podem ter zona de livre comércio com Irã

Proposta foi discutida em reunião com chefes da Arábia Saudita, Emirados Árabes, Catar, Barein, Kuwait etc.

02 de setembro de 2007 | 16h49

Os países árabes do Golfo Pérsico estudam proposta para estabelecer uma zona de livre comércio entre o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) e o Irã, segundo o secretário-geral da aliança árabe, Abdel-Rahman al-Attiyah. Attiyah, citado neste domingo, 2, pelos meios de comunicação da região, fez esta declaração após a reunião que os chefes da diplomacia do CCG - Arábia Saudita, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar, Barein e Kuwait - realizaram na noite do último sábado na cidade saudita de Jidá. Segundo Attiyah, a idéia de estabelecer uma zona de livre-comércio foi proposta pelo Irã através de uma mensagem enviada à Secretaria-Geral do CCG pelo ministro de Assuntos Exteriores iraniano, Manouchehr Mottaki, no qual expressava o desejo de seu país de entabular negociações diretas a esse respeito. "Não é nada novo (..) houve contatos sobre esse assunto anteriormente, mas desta vez (Irã) expressa seu desejo de forma oficial e pública", disse o secretário-geral do CCG. Além das relações com o Irã, a reunião ministerial do CCG discutiu os esforços para solucionar as crises no Iraque, Líbano e nos territórios palestinos, assim como a polêmica envolvendo o programa nuclear iraniano. O ministro de Estado saudita para Assuntos Exteriores, Nazar Ebeid Madani, reiterou após o encontro que os países dessa rica aliança petrolífera árabe "coincidem sobre a necessidade de solucionar a polêmica (entre Irã e a comunidade internacional) pelos meios pacíficos, e evitar qualquer tipo de enfrentamento militar" na região. No entanto, Madani e Attiyah não comentaram a recente declaração do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, na qual expressou que seu país está disposto, junto com os países da zona, especialmente a Arábia Saudita, a "encher o vazio" que causaria uma eventual retirada das tropas americanas do Iraque. Madani confirmou que o reino wahhabista, um país sunita com especial influência no mundo islâmico, e que ostenta a presidência rotativa da Liga Árabe e do CCG, estuda abrir uma embaixada no Iraque, e que enviou há uma semana uma missão a Bagdá para tratar desse assunto com as autoridades locais.

Tudo o que sabemos sobre:
Golfo PérsicoIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.