Divulgação/Fars/Reuters
Divulgação/Fars/Reuters

Países ocidentais condenam teste de míssil iraniano

O Sajil-2, alimentado com combustível sólido, é capaz de atingir alvos a 2 mil quilômetros de distância

estadao.com.br,

16 de dezembro de 2009 | 11h46

Os principais países europeus criticaram o teste de um míssil de médio alcance feito pelo Irã nesta quarta-feira, 16. Reino Unido, França e Alemanha condenaram a decisão. O ministério das Relações Exteriores de Israel optou por não se pronunciar.

Veja também: 

linkCâmara dos EUA aprova lei que amplia sanções contra Irã

linkIrã diz que sanções dos EUA sobre combustíveis falh arão

O primeiro ministro britânico, Gordon Brown, condenou o teste em reunião com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, durante a cúpula climática de Copenhague.

 

"Eu e o secretário estamos preocupados com este teste. É um assunto que preocupa a comunidade internacional e faz com que busquemos sanções ao Irã. Trataremos isto com a seriedade que merece", disse Brown.

 

A chancelaria francesa classificou o teste de mau sinal para a comunidade internacional. Para o governo alemão, a atitude iraniana é alarmante.

VEJA TAMBÉM:
especialEspecial: O programa nuclear do Irã
especialO histórico de tensões e conflitos no país

 

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, se recusou a comentar o teste.

 

A notícia do teste foi divulgada hoje pela televisão estatal iraniana, que não deu detalhes de quando e onde aconteceu a prova militar. As Forças Armadas iranianas já tinham testado uma versão do mesmo míssil em maio.

 

O míssil pode alcançar Israel e alguns países do sudeste europeu com mais precisão do que modelos mais antigos, uma vez que o combustível sólido utilizado neste armamento dá mais precisão ao lançamento do que o líquido.

 

Com informações da Associated Press e da Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.