Palestina anuncia que negociações indiretas com Israel começaram

Conversas de paz serão intermediadas por enviado dos Estados Unidos

EFE

09 Maio 2010 | 07h46

RAMALA - O negociador-chefe palestino, Saeb Erekat, anunciou neste domingo, 9, em Ramala que as negociações indiretas com Israel sob mediação americana "já começaram", e que o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, liderará a equipe negociadora palestina.

 

O comunicado aconteceu pouco depois de terminada a reunião que Abbas teve hoje na cidade cisjordaniana com o enviado da Casa Branca para o Oriente Médio, George Mitchell.

 

Erekat acrescentou que as negociações abordarão todas as questões relativas ao estatuto definitivo de paz como fronteiras, segurança, Jerusalém como capital, assentamentos, refugiados e água.

 

O chefe do departamento de Negociações da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) insistiu em que o senador americano declarará formalmente o reatamento das negociações indiretas, denominadas "de proximidade" nas próximas 24 horas. Nesse anúncio dará mais detalhes sobre a natureza do diálogo.

 

O anúncio ocorreu pouco depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, dissesse a seu gabinete de ministros na reunião semanal dos domingos que Israel espera que o diálogo indireto conduza a conversas frente a frente com os palestinos.

 

"É impossível fazer a paz à distância", ressaltou hoje depois que ontem à noite desse as boas-vindas à decisão do Comitê Executivo da OLP - encarregado da negociação com Israel - de apoiar esta nova iniciativa de diálogo e resenhasse que a postura de seu Governo "foi desde sempre que o diálogo deve transcorrer sempre".

 

Com relação a isso, Erekat comentou hoje que "Netanyahu não tem direito a falar de condições prévias enquanto continuar as construções nos assentamentos judaicos".

 

Por sua vez, o membro do Conselho Central do Fatah, Mahmoud al-Aloul, declarou à imprensa hoje que esse organismo acompanhará de perto o diálogo com Israel e que, se continuar a política de construção nas colônias judias, "então cessaremos a negociação".

 

As negociações indiretas entre Israel e os palestinos põem fim a 16 meses da interrupção brusca no processo de paz, resultado da ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, e a recusa da ANP a retomar o diálogo enquanto o Estado judeu seguir construindo no território ocupado.

Mais conteúdo sobre:
Palestina Israel negociações de paz EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.