Palestino processa Reino Unido por venda de armas a Israel

Saleh Hassan diz que Londres viola leis que proíbem exportação bélica a países onde há risco de repressão

Efe,

10 de outubro de 2007 | 09h41

Um palestino de 60 anos decidiu levar o governo britânico aos tribunais porque considera que as vendas de armas a Israel são ilegais. Saleh Hassan, cuja ação foi apresentada a um tribunal nesta quarta-feira, 10, considera que Israel usa equipamentos militares comprados no Reino Unido para reprimir os palestinos, o que representa uma violação dos direitos humanos. Seu argumento será que a venda do Reino Unido de equipamentos militares a Israel viola as leis que proíbem sua exportação a países onde há risco que possa ser utilizado para repressão interna ou violação de liberdades fundamentais. Hassan, que vive na Cisjordânia, argumenta que seus terrenos foram confiscados por Israel para permitir a construção do muro de segurança, informa a cadeia britânica BBC. Os israelenses, segundo Hassan, confiscaram suas terras em 2005 para permitir a construção do muro, que Israel considera necessário para impedir atos terroristas. O palestino citará um pedido da Corte Internacional de Justiça para que o muro seja destruído. A corte argumenta que não se deveria permitir que o muro se transforme na nova fronteira de Israel porque constituiria uma expansão, pela força, do território israelense.

Tudo o que sabemos sobre:
PalestinoReino UnidoIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.