Palestinos adiarão negociações de paz se Olmert renunciar

Um negociador palestinodisse na quarta-feira que qualquer acordo de paz com Israelseria adiado caso a investigação policial do premiê isralense,Ehud Olmert, o force a renunciar e novas eleições sejam feitas. Saeb Erekat descreveu o caso como uma questão interna dosisraelenses, mas afirmou que os palestinos a acompanham deperto. "Se eles decidirem fazer novas eleições, então atrasaremosmais um ano. Se (a ministra das Relações Exteriores israelenseTzipi) Livni assumir, vamos continuar na mesma", disse Erakat,referindo-se à vice designada por Olmert. Mediadas pelos Estados unidos, as conversas sobre a criaçãode um Estado palestino avançaram pouco desde que começaram, háseis meses. Os EUA esperam que um acordo seja feito antes que opresidente George W. Bush deixe o cargo, em janeiro. Já atingido por uma série de escândalos de corrupção dosquais nega participação, Olmert foi subitamente interrogadopela polícia na sexta-feira, devido a acusações novas. Os aliados de Olmert dizem que seus oponentes de direitaquerem atrapalhar as negociações com os palestinos. Uma ordem judicial impede a imprensa israelense de dardetalhes sobre as suspeitas contra o premiê. Olmert disse queestá cooperando com os investigadores e condenou os "rumoresmaliciosos e viciados" sobre o caso. O gabinete de Olmert negou uma reportagem da televisãoal-Jazeera que citou fontes anônimas, que teriam dito que eleplanejava renunciar ou se afastar temporariamente do cargo nasemana que vem. Caso Olmert saia mais cedo do cargo, seu partido, o Kadima,pode nomear um sucessor entre as suas próprias fileiras. Aprovável escolhida é Livni, que também é vice-premiê e chefedas negociações de paz com os palestinos. Uma eleição pode suceder a renúncia Olmert, caso suacoalizão se desfaça. Não há nenhuma votação agendada até 2010.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.