Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Palestinos atiram contra Israel após morte de chefe da Jihad

Palestinos da Faixa de Gaza dispararamfoguetes contra Israel no sábado, mas provocaram poucosestragos, após um alto comandante da Jihad Islâmica ter sidomorto numa explosão que destruiu completamente sua casa nanoite de sexta-feira. Israel negou a responsabilidade pela explosão. Sete outraspessoas morreram, incluindo a mulher e dois filhos pequenos docomandante. Cerca de 40 pessoas foram feridas por destroços queatingiram os edifícios próximos no campo de refugiadosal-Bureij. Uma porta-voz do Exército israelense disse que cincofoguetes foram disparados de Gaza na manhã de sábado. O Comitêde Resistência Popular, grupo militante aliado da JihadIslâmica e do Hamas, que controla Gaza, disse ter disparado 10foguetes em resposta à morte de Ayman Fayed, mais conhecidocomo Abu Abdallah, na sexta-feira. "Sangue produz sangue!", ouvia-se no funeral, enquantoatiradores disparavam para o ar com seus rifles Kalashnikov. O braço aramado da Jihad Islâmica, que realizou diversosbombardeios suicidas entre 1995 e 2005, prometeu atacar dentrode Israel: "Esse sangue não será desperdiçado. A resposta viráno âmago da entidade sionista", disse o grupo em comunicado. Israel diz que frequentemente frustra tentativas deatentados suicidas. A bomba do Hamas que matou uma mulher nosul de Israel em 4 de fevereiro foi a primeira a deixar vítimasfatais em um ano. Embora a facção secular Fatah, do presidente palestino,Mahmoud Abbas, seja profundamente hostil aos islâmicos quetomaram o controle de Gaza no ano passado, um porta-voz doFatah na Cisjordânia também acusou Israel pela explosão. "Os ocupantes entraram numa fase de crime organizado contrao povo palestino", disse Fahmi Zarir. "Exigimos que acomunidade internacional os force a pôr um fim em seus crimes." (Reportagem adicional de Alastair Macdonald em Gaza, OriLewis em Jerusalém e Haitham Tamimi em Hebron)

NIDAL AL-MUGHRABI, REUTERS

16 de fevereiro de 2008 | 11h56

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDCONFLITOJIHAD

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.