Palestinos cumprem sua parte no plano de paz, diz Blair

Tony Blair, enviado doQuarteto de mediadores do Oriente Médio, afirmou naquinta-feira que os palestinos cumprem as obrigações relativasà área de segurança e assumidas em meio ao plano de pazconhecido como "mapa do caminho". Segundo Blair, Israel deveria começar a responder àsmedidas adotadas pelos palestinos. O governo dos EUA avaliará a situação para saber se osisraelenses e os palestinos cumprem as obrigações estipuladasno plano de 2003. Essa avaliação integra os esforços realizados para garantira criação de um Estado palestino antes do final do mandato dopresidente norte-americano, George W. Bush, em janeiro de 2009. A independência palestina pode depender dessas análisesporque o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, prometeu quenão implementará nenhum acordo de paz até que o presidentepalestino, Mahmoud Abbas, cumpra a promessa feita no "mapa docaminho" de coibir a ação dos militantes islâmicos. O governo israelense ainda precisa cumprir sua parte doacordo -- congelar a expansão dos assentamentos judaicos eretirar da Cisjordânia ocupada entrepostos avançados erguidospor colonos judeus sem autorização. "Acho ser importante reconhecer que os fatos ocorridos aquiem Nablus nos últimos meses representam, claro, o que a fase umdo 'mapa do caminho' prevê", afirmou Blair durante uma visita àcidade do norte da Cisjordânia. Em declarações dadas mais tarde, na cidade de Ramallah(também na Cisjordânia), o ex-primeiro-ministro britânico disseque "os palestinos melhoraram de forma significativa suasforças de segurança". Blair citou haver a "necessidade,obviamente, de que as restrições à movimentação (de pessoas noterritório palestino) sejam minoradas". Não se sabe bem quanta influência Blair, que atua comoenviado especial do Quarteto de mediadores, exercerá sobre oprocesso de avaliação do "mapa do caminho". O ex-premiê, detoda forma, sempre se manteve próximo de Bush. Abbas, cuja autoridade limita-se à Cisjordânia desde que ogrupo islâmico Hamas assumiu o controle da Faixa de Gaza, emjunho, lançou uma campanha de segurança no ano passado emNablus, apreendendo armas e detendo criminosos e algunsmilitantes. Segundo Blair, avanços estavam sendo realizados na questãoda segurança. O enviado pediu "uma resposta de Israel arespeito das obrigações" assumidas no "mapa do caminho". Além de remover os postos avançados, Blair disse queIsrael, "em tempo", precisa desmontar todos os postos decontrole e cancelar todas as outras restrições à movimentação eao comércio dos palestinos. "A coisa mais importante para a economia é, pouco a pouco,finalizar a ocupação", afirmou. (Reportagem de Adam Entous em Jerusalém e Haitham Tamimi emHebron)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.