Palestinos devem receber US$ 7,4 bi em ajuda internacional

A soma, que será entregue em três anos, supera com folga os US$ 5,6 bilhões solicitados inicialmente

Efe e Reuters,

17 de dezembro de 2007 | 18h10

A comunidade internacional se comprometeu nesta segunda-feira, 17, a doar US$ 7,4 bilhões para o financiamento do plano de reformas da Autoridade Nacional Palestina (ANP), informou o ministro de Assuntos Exteriores da França, Bernard Kouchner.   Veja Também Começa conferência de doadores a palestinos   A soma, que será entregue ao longo dos próximos três anos, supera com folga os US$ 5,6 bilhões solicitados pelos palestinos na conferência de doadores realizada em Paris.   Em entrevista coletiva, o ministro francês e presidente do encontro disse que, do valor a ser doado, US$ 3,4 bilhões serão destinados ao orçamento das autoridades palestinas para o ano de 2008.   "Sem a continuação desta ajuda e sem a liquidez necessária para o orçamento palestino, teremos uma catástrofe na Faixa de Gaza e na Cisjordânia", disse o presidente palestino, Mahmoud Abbas, à conferência.   "Esta conferência é literalmente a última esperança de evitar a falência", completou a secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice.   Kouchner declarou ainda que, além de ter sido um sucesso, a reunião complementa a conferência de Annapolis (EUA), onde, no fim de novembro, palestinos e israelenses se comprometeram tanto a firmar um acordo de paz até o fim de 2008 como a criar um Estado palestino.   "É preciso agradecer aos doadores generosos", disse o ministro francês, que ressaltou que nem todos os países mais ricos estiveram entre os que se comprometeram mais.   Estocada   Nesse sentido, Kouchner, sem citar nomes, aplaudiu o gesto de algumas nações pequenas e se declarou "decepcionado" com algum dos grandes.   A Comissão Européia (Poder Executivo da UE) ofereceu uma doação de US$ 640 milhões aos palestinos. Os Estados Unidos prometeram US$ 555 milhões, e Sarkozy disse que a França daria outros US$ 300 milhões.   Acompanhando Kouchner na entrevista coletiva, o primeiro-ministro da ANP, Salam Fayyad, agradeceu à comunidade internacional, que deu seu "aval" e demonstrou "sua confiança" nos palestinos.   O anúncio desta ajuda "é muito importante" para fazer o processo de paz "avançar", "pôr fim à ocupação" israelense e estabelecer as bases do futuro Estado palestino, disse Fayyad.   Ao todo, 68 países e cerca de 20 organizações internacionais participaram da conferência organizada pela França para apoiar política e economicamente a ANP com vistas à criação de um Estado palestino.   Uma pesquisa do Programa Mundial de Alimentos da ONU mostrou na segunda-feira que a renda domiciliar média dos palestinos caiu 30% nos últimos seis meses. Segundo a pesquisa, 70% das famílias de não-refugiados recebem menos de US$ 1,20 por pessoa por dia.

Tudo o que sabemos sobre:
PalestinosANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.