Nasser Ishtayeh/AP
Nasser Ishtayeh/AP

Palestinos estão isolados e sem dinheiro, diz premiê

'O estado de marginalização é sem precedentes', disse Salam Fayyad em entrevista

SAMIA NAKHOUL E MICHAEL STOTT, REUTERS

08 Maio 2012 | 15h54

RAMALLAH - O primeiro-ministro Salam Fayyad disse nesta terça-feira, 8, que os palestinos podem ter "perdido a discussão" no palco internacional por um Estado independente, mas advertiu que a ocupação contínua israelense é insustentável.

Veja também:

link Netanyahu anuncia coalizão com o Kadima, principal partido da oposição

Em uma entrevista à Reuters, Fayyad salientou um ponto de discórdia com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, ao pedir por eleições - que vêm sendo adiadas há tempos por causa das profundas divisões políticas entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia ocupada.

Ele também advertiu que o futuro do seu governo está coberto de sombras em razão de fortes restrições financeiras e disse que os palestinos fracassaram em chamar a atenção mundial para a sua causa.

"Acho que estamos perdendo a discussão, se é que já não a perdemos. Mas isso não torna errada a nossa posição", disse o ex-economista do Banco Mundial, um político independente que tem forte apoio nas potências ocidentais.

O levante árabe, as eleições presidenciais norte-americanas e as crises financeiras na Europa combinados tiraram a questão palestina da agenda global há mais de 18 meses, depois das interrupções das conversas com Israel em uma disputa sobre a construção dos assentamentos judaicos.

"Qual é o maior obstáculo que enfrentamos? O estado de marginalização. Isso não tem precedentes", disse ele. "Os israelenses conseguiram trivializar de forma bem-sucedida o nosso lado do argumento", acrescentou ele, referindo-se à exigência palestina para uma interrupção das obras de assentamento antes da retomada das negociações.

Israel defende que as conversações deveriam prosseguir sem pré-condições e continua a construir blocos de apartamentos na Cisjordânia, em território em que a Organização das Nações Unidas (ONU) considera ilegalmente ocupado.

Falando de seu escritório em Ramallah, a 20 quilômetros de Jerusalém, com a bandeira nacional vermelha, preta, verde e branca atrás dele, Fayyad disse que os palestinos precisam arrumar a própria casa antes de esperar pela independência tão almejada, que em princípio a maioria das potências mundiais continua a apoiar.

"Não acredito que conseguiremos obter um Estado a menos que sejamos capazes de reunificar nosso país", disse ele sobre a divisão política que separou a Cisjordânia do enclave de Gaza, governado desde 2007 pelo grupo islâmico Hamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.