Palestinos pedirão adesão plena à ONU, diz Abbas

O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, disse nesta sexta-feira que pedirá que a Palestina se torne membro pleno da ONU durante a Assembleia Geral da entidade na próxima semana, intensificando uma disputa diplomática com Israel e Estados Unidos.

REUTERS

16 Setembro 2011 | 13h43

"Iremos às Nações Unidas pedir o nosso direito legítimo, obtendo adesão plena para a Palestina nessa organização", disse Abbas em discurso transmitido pela TV, indicando que pedirá votação sobre a questão no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

Israel e EUA se opõem com firmeza a esse movimento, argumentando que o Estado palestino só poderá ser criado através de negociações diretas.

"Vamos ao Conselho de Segurança", acrescentou Abbas em meio a aplausos arrebatados da plateia formada por líderes palestinos. "Quanto a outras opções, ainda não tomamos uma decisão sobre elas", disse.

O governo norte-americano já disse que vai vetar qualquer resolução sobre um Estado palestino no Conselho de Segurança e alguns políticos dos EUA disseram que vão tentar cortar a ajuda do país aos palestinos, num total de 500 milhões de dólares por ano, se eles se recusarem a voltar atrás.

Se os Estados Unidos vetarem a resolução, os palestinos podem então tentar a Assembleia Geral da ONU. Ela não tem o poder de lhes dar a adesão, mas pode reconhecer a Palestina como um estado não membro.

Isso daria aos palestinos o possível acesso a outros órgãos internacionais, incluindo o Tribunal Penal Internacional, onde poderiam processar Israel pela longa ocupação da Cisjordânia.

Abbas disse que queria ver um Estado palestino reconhecido tendo como base as linhas traçadas em 1967, incluindo a Cisjordânia, o leste de Jerusalém e a Faixa de Gaza, acrescentando que isso então iria capacitar os palestinos a retomarem as negociações com Israel.

Ele destacou que qualquer protesto popular em apoio a sua iniciativa deveria ser pacífico.

Israel teme que a ida à ONU possa provocar violência na Cisjordânia e já colocou suas forças em alerta máximo na área.

Abbas deve discursar na Assembleia Geral da ONU em 23 de setembro, quando iria apresentar a oferta de adesão plena da Palestina.

(Reportagem de Tom Perry)

Mais conteúdo sobre:
ORMEDONUPALESTINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.