Palestinos protestam contra visita de Obama a Israel

Ativistas palestinos ergueram um acampamento de protesto na quarta-feira perto de onde Israel quer construir um novo assentamento na Cisjordânia ocupada, chamando a atenção para sua luta durante uma visita à região do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

NOAH BROWNING, Reuters

20 de março de 2013 | 15h55

Mais de uma centena de manifestantes ergueram quatro tendas grandes e uma bandeira palestina grandiosa na extensão de terra pedregosa perto de Jerusalém, bem quando Obama chegava à vizinha Tel Aviv para três dias de conversas e reuniões.

"Estamos aqui para enviar uma mensagem ao presidente Obama de que nossa luta, nossa resistência pacífica não violenta, vai continuar até estarmos livres", disse o político palestino Mustafa Barghouthi.

A polícia israelense entrou na colônia de tendas e disse aos manifestantes que deixassem a área, que eles chamaram de "zona militar fechada", mas não tentaram imediatamente derrubar o acampamento.

Obama estava reunido com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na quarta-feira e deve viajar para a Cisjordânia na quinta-feira para se reunir com o presidente palestino, Mahmoud Abbas.

Ele disse que estava indo escutar e não traria uma nova iniciativa de paz, três anos depois que as últimas negociações diretas entre israelenses e palestinos entraram em colapso por causa da questão da construção de assentamento judeu.

Os palestinos reclamam que Obama não colocou pressão suficiente em Israel para parar os assentamentos e advertem que o prospecto de criar um Estado viável e independente está desaparecendo rápido.

Netanyahu anunciou em dezembro planos de erguer centenas de casas de colonos em uma área delicada nos arredores de Jerusalém, conhecida por seu nome administrativo de E1.

Se a construção seguir adiante, E1 iria criar um trecho de bairros judeus ligados na Cisjordânia, entre Pisgat Zeev e Maale Adumim, um assentamento de cerca de 30.000 israelenses.

Os palestinos dizem que isso iria destruir as esperanças de juntar suas comunidades em Jerusalém Oriental, que eles querem como a capital de seu país.

Na cidade de Hebron, na Cisjordânia, um caldeirão de tensão entre palestinos e colonos israelenses, dezenas de crianças palestinas em idade escolar usavam máscaras de Obama para protestar contra sua visita e marchavam pelas ruas.

Forças israelenses prenderam vários manifestantes que marchavam pela Rua Shuhada, o centro comercial palestino da cidade até Israel fechá-lo unilateralmente em 1994.

(Reportagem adicional de Nidal al-Mughrabi em Gaza)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDPALESTINOSPROTESTOSOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.