Paquistaneses atiram de novo em helicópteros invasores dos EUA

Tropas paquistanesas dispararam nanoite de domingo contra dois helicópteros norte-americanos quehaviam invadido o espaço aéreo do país, disse uma autoridadelocal nesta segunda-feira. Os helicópteros teriam sidoobrigados a recuar para o Afeganistão. Foi o segundo incidente desse tipo em uma semana,refletindo a tensão entre EUA e Paquistão por causa do combatea militantes islâmicos em áreas tribais paquistanesas próximasà fronteira com o Afeganistão. Nas últimas semanas, os EUA intensificaram o uso deaviões-robôs em bombardeios no lado paquistanês. No domingo, aincursão ocorreu por volta de 21h (hora local), perto de LowaraMandi (40 quilômetros a oeste de Miranshah, principal cidade naregião tribal do Waziristão do Norte), segundo uma autoridadepaquistanesa que pediu anonimato. Não houve confirmação oficial. "Não temos qualquer informação sobre uma violação dafronteira por helicópteros norte-americanos", disse o majorMurad Khan, porta-voz militar. Moradores disseram que helicópteros teleguiados dos EUAsobrevoaram Miranshah na madrugada e manhã de segunda-feira,mas sem fazer disparos. "É assustador demais, não dá para dormir quando a gente osouve voando", disse Zia-ur-Rehman, que vive na aldeia deHamzoni, perto de Miranshah. As relações entre EUA e Paquistão, aliados na "guerra aoterrorismo", estão estremecidas desde um bombardeio que matou20 pessoas, inclusive mulheres e crianças, no dia 3 na aldeiafronteiriça de Angor Adda, no Waziristão do Sul. Há uma semana, tropas paquistanesas alvejaram e rechaçaramdois helicópteros norte-americanos que voltaram a ultrapassar afronteira naquela área, segundo moradores e militares.Oficialmente, os dois países negaram o incidente. O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, deve se reunirna terça-feira nos EUA com seu colega George W. Bush, e tambémdeve participar em Nova York da Assembléia Geral da ONU. O Ocidente considera o apoio paquistanês essencial para ocombate à Al Qaeda e ao Taliban no Afeganistão. Os EUA são o maior fornecedor de ajuda financeira aoPaquistão, e os incidentes das últimas semanas levaram a umadesvalorização dos papéis paquistaneses e da rúpia local. Emcrise econômica, o país precisa de dólares para reconstruirrapidamente suas reservas de divisas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.