Paquistão realiza primeira execução em quatro anos

O Paquistão executou seu primeiro prisioneiro em quatro anos nesta quinta-feira, enforcando um ex-soldado do Exército que foi condenado de assassinato, disse a polícia.

Reuters

15 de novembro de 2012 | 10h34

Apesar da execução de Muhammad Hussain no noroeste do Paquistão, ativistas não esperam que a moratória do país sobre a pena de morte seja suspensa em casos envolvendo membros das forças militares.

A última execução, em dezembro de 2008, também envolvia a morte de um soldado.

O Paquistão tem mais de 8 mil prisioneiros no corredor da morte, mas uma moratória sobre execuções está em efeito por quatro anos. Autoridades paquistanesas dizem estar trabalhando em um projeto de lei para proibir a pena de morte.

Organizações de direitos humanos apoiam a proibição, dizendo que a cortes e a polícia no Paquistão são incapazes de garantir um julgamento justo.

"Se você olhar para nosso sistema de investigação, à má qualidade das provas produzidas nas cortes, como podem as pessoas ser condenadas à morte com base nessas coisas?", disse Zohra Yusuf, chefe da Comissão de Direitos Humanos do Paquistão.

A execução desta quinta-feira acontece após o chefe do Exército do Paquistão ter rejeitado um pedido de clemência, disse Yusuf.

(Por Saud Mehsud e Katharine Houreld)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDPAQUISTAOEXECUCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.