Para Israel, acordo de paz com palestinos depende de segurança

A ministra das Relações Exteriores deIsrael, Tzipi Livni, afirmou neste domingo à secretária deEstado norte-americana, Condoleezza Rice, que qualquer acordopara a criação de um Estado palestino não será implementado atéque a segurança israelense esteja assegurada. Rice, em sua terceira visita em seis semanas à região,tenta aproximar os dois lados na disputa, antes de umaconferência organizada pelos Estados Unidos sobre o tema, quedeve ocorrer na última semana de novembro em Maryland. Nenhumadata oficial foi até agora anunciada. Israelenses e palestinos ainda discordam sobre o conteúdode um possível documento conjunto para a conferência. O textolançaria negociações sobre questões-chave para um Estadopalestino, como fronteiras, o destino de Jerusalém e os milhõesde refugiados palestinos. "Eles (os palestinos) precisam entender que a implementaçãode futuros acordos deve ocorrer de acordo com as fasesdeterminadas pelo plano de paz -- o que quer dizer, primeiro asegurança de Israel e então o estabelecimento do Estadopalestino", disse a chanceler Tzipi Livni a jornalistas, comRice a seu lado."Ninguém quer ver outro Estado terrorista na região", declarouLivni, em referência indireta a temores israelenses de que oHamas possa tomar a Cisjordânia, controlada pelo presidente daAutoridade Palestina, Mahmoud Abbas. O grupo islâmico assumiu ocontrole da Faixa de Gaza em junho. Rice deve se encontrar também com o enviado especial aoOriente Médio e ex-premiê britânico, Tony Blair. Durante a visita da secretária norte-americana, ataquesisraelenses com mísseis mataram quatro palestinos na Faixa deGaza, segundo autoridades médicas. Israel afirmou que o alvo eram militantes palestinos quedisparam foguetes contra o país, mas autoridades palestinasdisseram que os mortos eram civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.