Para Kerry, acordo de paz entre Israel e palestinos é possível até fim de abril

Ignorando sombrias previsões de fracasso, o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse nesta sexta-feira que israelenses e palestinos continuam comprometidos com as negociações de paz e estão a caminho de fechar um acordo até abril.

LESLEY WROUGHTON, Reuters

13 de dezembro de 2013 | 18h37

No fim de sua segunda visita à região em apenas uma semana, Kerry afirmou que os dois lados estavam discutindo uma estrutura para um acordo final para resolver as questões centrais do conflito que já dura décadas.

"Ambas as partes permanecem comprometidas em cumprir suas obrigações para manter-se à mesa e negociar duro durante o período de nove meses que acertamos para isso", disse Kerry a jornalistas, depois de conversas separadas com os líderes palestino e israelense.

"Nós não estamos conversando neste momento sobre qualquer mudança (no cronograma)", afirmou ele, descartando avaliações sombrias de ambos os lados sobre o progresso nas negociações mediadas pelos EUA.

As conversas foram retomadas em julho, após uma pausa de três anos.

O principal diplomata dos EUA quer que os dois lados aceitem o acordo que deve abranger as principais questões como segurança, o futuro de Jerusalém e o destino de refugiados, além de funcionar como um esboço geral para o acordo final.

Os palestinos temem que tal acordo preliminar poderia servir para adiar mais uma vez suas esperanças de estabelecer um Estado independente na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e em Jerusalém Oriental.

Kerry afirmou que as conversas dos últimos dias tiveram como foco a segurança, com o general norte-americano aposentado John Allen presente nas discussões com o presidente palestino, Mahmoud Abbas.

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDPAZISRAEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.