Parlamentares do Irã pedem pena capital para líderes da oposição

Mehdi Karroubi e Mirhossein Mousavi são acusados de corrupção e fomentar tumultos no país

REUTERS

15 de fevereiro de 2011 | 07h26

Parlamento iraniano discute pena de morte a oposicionistas. Foto: Raouf Mohseni/Mehr News/Reuters

Atualizada às 12h40 

TEERÃ - Parlamentares iranianos pediram ao Judiciário nesta terça-feira, 15, que aplique a pena de morte a líderes oposicionistas por fomentarem tumultos no país, informou a mídia estatal. No dia anterior, uma pessoa foi morta em uma manifestação de protesto e dezenas de outras ficaram feridas.  A morte de um segundo dissidente foi confirmada hoje

 

Veja também:

especial Infográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos 

Os confrontos entre forças de segurança e manifestantes na segunda-feira começaram quando milhares de simpatizantes da oposição saíram às ruas de Teerã em uma passeata de apoio aos levantes no Egito e Tunísia, revivendo os protestos de massa que abalaram o Irã depois da eleição presidencial de 2009.

"Mehdi Karroubi e Mirhossein Mousavi (líderes oposicionistas) são corruptos na terra e deveriam ser julgados", disseram parlamentares em um comunicado, segundo a agência estatal de notícias Irna.  A acusação, já feita no passado contra políticos dissidentes, pode ser motivo de pena de morte no país, um Estado islâmico.

O porta-voz do Judiciário, Gholamhossein Mohseni-Ejei, disse: "Aqueles que provocaram desordem pública na segunda-feira serão confrontados de modo firme, imediatamente."

As autoridades iranianas costumam acusar os líderes da oposição de integrarem um complô ocidental para derrubar o regime islâmico. A acusação é negada por Mousavi e Karroubi.

Veja também:

linkPolícia reprime manifestaçã no Irã

linkHillary expressa apoio a manifestações no Irã

linkMousavi alega estar em prisão domiciliar

Tudo o que sabemos sobre:
IRAPARLAMENTOMORTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.