Parlamento afegão destitui 5 juízes; crise política se agrava

A crise política do Afeganistão se agravou neste sábado com a decisão dos parlamentares de votarem pela demissão das cinco maiores autoridades do setor judiciário do país, depois que um tribunal presidencial destituiu um quarto dos membros do Parlamento, o que aumentou a preocupação na comunidade internacional.

PAUL TAIT, REUTERS

25 de junho de 2011 | 16h17

O tribunal especial -- instituído por decreto pelo presidente afegão, Hamid Karzai, depois que as eleições parlamentares do ano passado foram prejudicadas por fraude -- determinou na quinta-feira que 62 deputados terão de ser substituídos por causa de supostas irregularidades no pleito.

Críticos dizem que o tribunal, criado por Karzai depois das eleições de 18 de setembro, nas quais adversários dele obtiveram grandes avanços, tem como objetivo levar adiante sua agenda política e silenciar a oposição. Sua legalidade é questionada no Afeganistão e no Ocidente.

A votação parlamentar deste sábado, a favor da remoção dos cinco mais importantes membros da Suprema Corte do Afeganistão, ocorreu num momento em que cresce a irritação dos deputados com a criação do tribunal especial. Entre os destituídos estão o presidente da Corte, Abdul Salam Azimi, e seu vice, Bahahuddin Baha, por não terem impedido a decisão do tribunal especial.

A deputada Fatima Aziz, da província de Kunduz, no norte, disse que 183 dos 190 parlamentares que compareceram à sessão deste sábado votaram pela destituição dos cinco membros do Alto Conselho da Suprema Corte.

O deputado Ahmad Humayoun, da província de Khost, no leste, afirmou que a votação foi realizada porque os cinco juízes haviam aconselhado Karzai a criar o tribunal especial para pôr fim a semanas de protestos e disputas internas pós-eleitorais.

Não ficou claro de imediato se os cinco seriam de fato removidos. O palácio do governo não comentou o assunto. Karzai está participando de uma conferência sobre segurança no Irã, país vizinho.

A instabilidade política coincide com a preocupação no Afeganistão pelos níveis recordes de violência e com a preparação da Otan para transferir o controle da segurança às forças afegãs em várias partes do país, iniciando um processo gradual que será concluído com a retirada de todas as tropas estrangeiras de combate até o fim de 2014.

O tribunal de Karzai anunciou sua decisão sobre a fraude eleitoral depois que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, apresentou em detalhes o plano do início da retirada das tropas norte-americanas, o qual prevê que 10 mil soldados retornarão para casa até o fim deste ano.

(Reportagem adicional de Hamid Shalizi)

$INS01; Line LNY Insave:- TI line name (Map report)

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOPARLAMENTOKARZAI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.