Participante de frota atacada planeja novo comboio com direção a Gaza

Dessa vez, caravana pretende furar bloqueio israelense levando suprimentos médicos por terra

estadão.com.br,

18 de setembro de 2010 | 21h19

SÃO PAULO- Um sobrevivente do assalto israelense a uma flotilha humanitária com destino a Gaza em maio partiu neste sábado, 22 em direção à faixa com um novo comboio com suprimentos médicos, informou a edição online do canal de notícias CNN.

 

Veja também:

lista Veja as novas regras do bloqueio de Gaza

 

Kevin Ovenden partiu de Londres na manhã de hoje com cerca de doze vans e mais de 30 voluntários internacionais como parte do Comboio Viva Palestina. Dois outros comboios estão sendo organizados ao mesmo tempo em dois países, de acordo com o grupo.

 

As três equipes irão se encontrar na Síria antes de seguirem juntos para Gaza, segundo os organizadores. "Nossa missão da última vez era levar ajuda e destacar o bloqueio (a Gaza)", disse Kevin à CNN. "Essa é a nossa missão novamente".

 

Dessa vez, no entanto, a caravana pretende entrar em Gaza por terra, cruzando a fronteira com o Egito.

 

Nove ativistas turcos morreram em 31 de maio quando tropas israelenses invadiram um navio da flotilha. O Exército de Israel afirma que reagiu à violência dos passageiros, que insistem que foram atacados sem motivos.

 

"Eu testemunhei um homem um metro a minha frente que levou um tiro na perna, um outro 50 centímetros atrás de mim que foi atingido no abdome", disse Ovenden. "Nenhum deles tinha nada em suas mãos".

 

O incidente provocou uma onda de críticas internacionais contra Israel e prejudicou as relações diplomáticas entre o Estado judeu e a Turquia, um poderoso aliado regional.

 

Após o assalto, Israel acabou cedendo às pressões e aliviou parcialmente seu bloqueio à faixa de Gaza, controlada pelo movimento islâmico Hamas, que não reconhece o Estado judeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.