Partidários de Kadafi anunciam prisão de 17 mercenários estrangeiros

Notícia, não confirmada pelos rebeldes, pode ser revés para novo governo líbio

EMMA FARGE E MARIA GOLOVNINA, REUTERS

19 Setembro 2011 | 08h46

BENGHAZI - Partidários do líder líbio deposto Muamar Kadafi, que está foragido, disseram nesta segunda-feira, 19, ter capturado 17 mercenários estrangeiros, alguns dos quais europeus, no que seria um forte revés para o novo governo da Líbia e para seus apoiadores estrangeiros.

 

Veja também:
forum OPINE: 
Onde se esconde Kadafi?
especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia
lista ARQUIVO: ‘Os líbios deveriam chorar’, dizia Kadafi

 

Não foi possível confirmar a notícia dada por Moussa Ibrahim, porta-voz de Kadafi, mas ela surge num momento em que as novas autoridades sofrem derrotas nos campos de batalha e na arena política.

 

 
 
Um mês após a deposição de Kadafi, seus partidários resistem aos avanços das forças do Conselho Nacional de Transição (CNT) nos redutos do antigo regime, as cidades de Bani Walid e Sirte.

O CNT, ainda sediado em Benghazi (leste), desperta dúvidas quanto à sua capacidade de unificar um país fortemente dividido por critérios étnicos e locais. Durante a noite, a prometida tentativa de formar um governo provisório mais amplo fracassou.

Falando pela emissora síria de TV Arrai, que tem divulgado mensagens do antigo regime, Ibrahim afirmou que "um grupo foi capturado em Bani Walid consistindo de 17 mercenários - eles são técnicos e incluem consultores".

"A maioria deles é de franceses, um deles é de um país asiático que não foi identificado, dois (são) ingleses e um é catariano", acrescentou.

A chancelaria francesa afirmou desconhecer a informação. A chancelaria britânica disse ter tomado conhecimento da notícia, mas que não tinha como confirmá-la. O governo do Catar não se manifestou.

As tentativas do governo para capturar Bani Walid, 150 quilômetros a sudeste de Trípoli, se transformaram em um desastre, com as suas forças repetidamente avançando para a cidade, para então serem expulsas pelos partidários de Kadafi.

Na segunda-feira, os intensos disparos feitos pelos combatentes pró-Kadafi impediram os soldados do CNT de se aproximarem do portão norte da cidade.

No domingo, combatentes do CNT disseram que planejavam atacar com o apoio de tanques, canhões antiaéreos e lançadores de foguetes, mas em vez disso os soldados da infantaria se anteciparam, e foram rechaçados.

Alguns combatentes desobedecem ordens abertamente.

Forças do CNT e aviões da Otan também atacaram Sirte, cidade-natal de Kadafi, no litoral. Combatentes dispararam foguetes a partir do acesso sul da cidade, e trocaram tiros com partidários de Kadafi entrincheirados em um centro de convenções.

Mais conteúdo sobre:
LIBIA MERCENARIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.