Arte/estadão.com.br
Arte/estadão.com.br

Partido curdo da Turquia pode deixar as armas em troca de direitos políticos

Em entrevista à BBC, chefe de grupo militante propõe solução negociada para o conflito com Ancara

Efe

21 de julho de 2010 | 09h11

LONDRES - O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que vive um conflito de guerrilha com a Turquia, está disposto a se desarmar em troca de maiores direitos políticos e culturais para os curdos, segundo disse seu líder, Murat Karayilan, em entrevista concedida ao canal britânico BBC em um local secreto nas montanhas do Curdistão iraquiano.

 

Karayilan disse estar disposto a ordenar aos militantes que deixem as armas, sob supervisão da Organização das Nações Unidas (ONU), se a Turquia aceitar um cessar-fogo e cumprir certas condições. Caso haja acordo, ele encerraria um conflito que já dura 26 anos.

 

O PKK exige o fim dos ataques contra os civis curdos e as detenções de políticos curdos no leste da Turquia. "Se a questão com os curdos for resolvida de forma democrática, por meio do diálogo, nós deixaremos as armas. Mas se o governo turco não quiser aceitá-lo, teremos que anunciar a independência", afirmou Karayilan.

 

Em resposta, um porta-voz de Ancara disse que não costuma fazer comentários sobre "declarações feitas por terroristas", segundo a BBC. Um cessar-fogo seria um importante progresso no conflito entre a Turquia e o PKK, que começou em 1984 e causou a morte de cerca de 40 mil pessoas.

 

O PKK, considerado uma organização terrorista pela União Europeia, pelos EUA e pela própria Turquia, realiza ataques dentro do território turco a partir de sua base no Curdistão iraquiano. Em resposta, a Turquia realiza ataques aéreos e com forças terrestres no Iraque.

Tudo o que sabemos sobre:
CurdistãocurdosPKKTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.