Partido de premiê al-Maliki recupera a vantagem em eleições no Iraque

Coalizão Estado de Direito tem agora 40.000 votos a mais do que Iraqiya

Associated Press e Agência Estado,

17 de março de 2010 | 18h48

A coalizão do primeiro-ministro Nuri al-Maliki recuperou a vantagem na contagem preliminar de votos das eleições parlamentares no Iraque, informou nesta quarta-feira, 17, a Comissão Eleitoral.

 

Veja também:

linkNúmeros finais da eleição parlamentar do Iraque devem sair na quarta

linkCoalizão de al-Maliki pede recontagem de votos na província de Bagdá

somÁudio: Chacra explica divisão política iraquiana

especialEspecial: Do início ao início do fim da guerra

 

Resultados parciais divulgados nesta quarta, com base em 83% dos votos de 7 de março apurados, devolveram a liderança ao bloco Estado de Direito, em uma contagem muito disputada.

 

O partido de Maliki tem agora cerca de 40.000 votos a mais sobre a Iraqiya, que é liderada pelo ex-primeiro-ministro Ayad Allawi, um xiita secular que conseguiu bastante apoio entre os sunitas, no norte.

 

A recuperação de Al-Maliki recebeu impulso dos votos vindos das províncias xiitas no sul do Iraque, Basra, Kerbala e Dhi Qar. Nesta terça, a coalizão de Allawi, a Iraqiya, liderava a contagem com uma dianteira de 9 mil votos. A disputa permanece muito acirrada na capital, Bagdá, onde os últimos resultados mostram que tanto a coalizão de al-Maliki quanto a de Allawi tiveram hoje contados 20 mil votos para cada.

 

Contudo, na contagem de votos província a província, al-Maliki tem estado na frente, vencendo em sete das 18 províncias iraquianas, enquanto Allawi lidera em cinco.

 

A eleição é a segunda desde a queda do ditador Saddam Hussein, com a invasão liderada pelos EUA em 2003. A disputa eleitoral ocorre menos de seis meses antes de os norte-americanos retirarem todas suas tropas de combate do Iraque. Com informações da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.