Hannah McKay/Reuters
Hannah McKay/Reuters

Partido de Sharif pede investigação de suposta fraude eleitoral no Paquistão

Vários partidos religiosos pediram a repetição do pleito, ameaçando com protestos e afirmando que boicotarão o Parlamento

EFE

30 Julho 2018 | 03h30

ISLAMABAD - A Liga Muçulmana do Paquistão (PML-n) do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif pediu nesta segunda-feira, 30, a formação de uma comissão judicial para investigar a suposta fraude nas eleições da semana passada.

"Pedimos a criação de uma comissão judicial para investigar os incidentes que ocorreram no dia 25 de julho", declarou de madrugada a jornalistas o líder da PML-n Khawaja Asif, após uma reunião do Comitê Central do partido em Lahore.

O político também anunciou que publicarão um livro branco com provas de fraude cometida durante a jornada eleitoral.

+++ Paquistão é assolado por conflitos

O partido Paquistão Tehreek-i-Insaf (PTI), do ex-jogador de críquete Imran Khan, venceu com 116 dos 272 cadeiras da Assembleia Nacional, segundo dados da Comissão Eleitoral do Paquistão (ECP).

A PML-n, que está deixando o Governo, obteve 64 assentos, seguido do Partido Popular do Paquistão (PPP), presidido por Bilawal Bhutto, com 43.

Vários partidos religiosos pediram a repetição do pleito, ameaçando com protestos e afirmando que boicotarão o Parlamento.

A eleição foi a segunda na história do país nas quais um Governo acaba um mandato completo e abre caminho a um novo, após ter sido governado por ditaduras militares a metade dos seus 71 anos de história desde sua fundação em 1947. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.