Partidos iraquianos superam impasse político e definem governo

Premiê al-Maliki deve ser mantido no cargo; bloco secular deve ficar com presidência do Parlamento

Reuters

11 de novembro de 2010 | 07h16

BAGDÁ - Os principais blocos políticos iraquianos fecharam um acordo nesta quinta-feira, 11, para a formação do governo, pondo fim a um impasse político que persistia desde as eleições realizadas havia oito meses.

 

Veja também:

linkEUA elogiam acordo para 'governo de inclusão'

 

Os grupos políticos definiram os nomes que ocuparão os três principais cargos no gabinete, informou o presidente regional da região curda, Masoud Barzani.

Barzani disse que, pelo acordo, o primeiro-ministro Nouri al-Maliki seguirá no poder, e os curdos vão manter a presidência. Barzani qualificou o pacto como justo para todos os blocos. Falando a repórteres em Bagdá, ele confirmou as linhas gerais de um acordo inicial fechado na noite de ontem.

 
O líder curdo disse ainda que o ex-premiê Ayad Allawi, chefe do bloco apoiado pelos sunitas que se opõe a Maliki, ficará à frente de um novo conselho, com autoridades sobre a segurança nacional. O bloco Iraqiya, de Allawi, vem pressionando para que esse conselho tenha grandes poderes, mas não está ainda claro se isso deve ocorrer. O Iraqiya também deve ficar com o posto de presidente do Parlamento.

As eleições legislativas de 7 de março não haviam dado a nenhum partido a maioria para governar sozinho o país. Desde então, al-Maliki e Allawi competiam para formar um novo governo. O bloco de Allawi, a Al-Iraqyia, teve dois assentos a mais que a Aliança do Estado de Direito, de al-Maliki.

 

Segundo a Constituição do Iraque, a eleição do presidente do Parlamento é uma etapa indispensável antes da designação do chefe de Estado e do premiê. No país, os eleitores elegem os deputados, que por sua vez apontam os cargos executivos. Este será o terceiro governo iraquiano desde a queda do regime de Saddam Hussein.

Tudo o que sabemos sobre:
IraquesunitasxiitasAllawial-Maliki

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.