Pelo menos 51 morrem em explosão de carro-bomba em Bagdá

Cerca de 75 ficam feridos em ataque próximo a mercado de um bairro xiita; atentado é o pior em três meses

The New York Times,

17 de junho de 2008 | 14h51

A explosão de um carro-bomba deixou pelo menos 51 mortos e 75 feridos nesta terça-feira, 17, em um bairro xiita no norte de Bagdá. O veículo estava parado em um terminal de ônibus, próximo a um mercado em Hurriya. Foi o pior atentando em Bagdá em mais de três meses.   Veja também: Parlamento iraquiano sairá da Zona Verde em Bagdá Clérigo iraquiano cria novo grupo para lutar contra os EUA   Sobreviventes e parentes das vítimas do incidente estavam furiosos. Um homem perdeu 11 parentes. Em um pátio em frente ao Hospital Khadamiyah, as pessoas gritavam e choravam. Alguns xingavam o governo por ter permitido o ataque, enquanto outros pediam a Deus por vingança.   Pessoas que escaparam da explosão e foram entrevistadas por um repórter do jornal The New York Times disseram que havia duas bombas no local, e não apenas uma como as autoridades iraquianas informaram.   A polícia isolou a área - somente ambulâncias e veículos policiais estão autorizados a entrar na região. Um funcionário de um necrotério próximo ao Hospital Khadamiyah informou que entre 35 e 40 corpos foram trazidos do hospital apenas nas primeiras duas horas.   A explosão aconteceu enquanto tropas americanas e iraquianas estavam em uma reunião numa vizinhança próxima, de acordo com um policial iraquiano. Depois do incidente, continuou, algumas pessoas cercaram veículos da polícia e atiraram pedras e outros objetos.   De acordo com um oficial do ministério do Interior, o atentado é o pior em Bagdá desde o começo de março, quando uma explosão em um shopping no bairro de Karrada matou 54 e deixou outros 123 feridos.

Mais conteúdo sobre:
IraqueBagdáatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.